24.9.08

NUNCA ESTIVE EM BAGDAD de Abel Neves

DE 8 A 10 DE OUTUBRO
PAX JULIA TEATRO MUNICIPAL
Três meses depois da invasão do Iraque, em Junho de 2003, Abel Neves escreveu Nunca Estive em Bagdad, uma peça datada que fala essencialmente sobre o optimismo que é preciso ter para sobreviver.
SINOPSE
Nunca estive em Bagdad é uma história de amor durante a guerra, perto e longe, muito longe de Bagdad. Glória e Rogério mudaram uma vez mais de casa e estão na situação de ter de arrumar de novo as suas coisas. Vivem a rotina dos dias e o amor é como é. O mundo vive a guerra no Iraque e Rogério é um viciado da informação televisiva, e não consegue despegar do monitor, enquanto Glória vive um drama íntimo, quase intraduzível: uma doença obriga-a a uma delicada operação e a sujeitar-se a um difícil tratamento. Vai sobreviver e será exemplo de optimismo. E o amor? Sobreviverá também? Irá Rogério a tempo de compreender? No final da guerra, eles têm a casa arrumada. E a vida?
Abel Neves
FICHA TÉCNICO-ARTÍSTICA Texto: Abel Neves Encenação: António Revez Assistência de Encenação: Sandra Maya Interpretação: Ana Ademar e Ricardo Brito Música: Paulo Ribeiro Desenho de Luz: Ana Sêrro e António Revez Produção: Companhia de Teatro Lendias d’ Encantar Grafismo: Cocas Produções