22.10.09

Nada Entre Nós Tem o Nome da Pressa



Sinopse  

espera (é) s.f. 1. Acto de esperar. 2. Ponto onde se espera. 3. Emboscada.
As mulheres na beira da praia aguardam o regresso dos homens da faina ou os olhos constantemente pousados nos ponteiros do relógio quando algo está para acontecer ou um chão já abaulado com os passos do esperador.
Ela enquanto ser esperante. Ela especializada na arte de aguardar, na esperança vã de um regresso que sabe, à partida, impossível.
Se a um tempo a espera é inútil, a outro é o que a separa do estado não-vivo, isto se pensarmos na vida como algo para além do trabalho constante do músculo e do cérebro.
Se a vida só é possível à luz daquele amor, a única forma de auto-preservação é esperá-lo. Sabendo que no momento em que a espera tenha um fim, em que a esperança desespere, o desligar do corpo é o único caminho.

Ficha Técnica 

a partir da obra de Maria do Rosário Pedreira  
Direcção António Revez
Performer Ana Ademar
Músico João Paulo Courinha (saxofone)
Luz Ivan Castro
Grafismo Cocas Produções 
Produção Rafael Costa

Sem comentários: